dezembro/2002 - revisado em dezembro/2010

Lembranças tantas. Recordações com doce odor de mel, cravo e canela. Natais alegres, felizes e iluminados os de minha infância. Arquivos vivos em minha memória. 
Papai com sua peculiar alegria, cantarolando as "canzzonetas" napolitanas. Fazendo ainda mais vivazes e coloridos os dias de dezembro. 
Mamãe e sua arte "della cuccina d'Italia", fazendo com que, realmente, dezembro chegasse trazendo  à nossa casa o odor do cravo da índia, do mel de abelha e da canela, proveniente dos doces italianos que deviam ser feitos com antecedência.
Hoje não mais feitos, porém, com a entrada deste último mês do ano-calendário,  as lembranças daqueles dias da minha infância tão fortes se fazem que a memória olfativa faz com que o odor de mel, cravo e canela permaneça perfumando estes meus dias de final de ano. 
Recordo-me, como uma saudade gostosa, porém um tanto ao quanto melancólica, daquelas mesas enormes, muito compridas, com a família toda reunida  (
hoje grande parte destes membros da família já se encontram em outro plano - onde devem estar, com certeza, continuando a se reunir, e neste ano de 2010 com meu pai e minha mãe  junto a eles), "tutti quanti parlando molto"(todos falando muito)...
Ah! como nós de descendência italiana falamos!
Não nos contentávamos com a ceia não... após nos reunirmos no dia 24,  no dia seguinte - dia 25 - tínhamos o almoço de Natal: A mesa ficava posta o dia inteiro. Que alegria ! Quanta cantoria ! Quanta gritaria! Quanta "comeria" ! Quanta troca de amor e afeto!
Belos tempos... Belos dias aqueles...
E o aroma de mel, cravo e canela rescendendo no ar !
Saudades? IMENSAS. Não posso negar. Principalmente e especialmente neste ano de 2010, onde todas estas recordações ainda mais fortes se fazem presentes em minha mente e fundo no meu coração, a falta que sinto da presença física de meus pais, de tão doces e alegres dias da minha infância e da minha juventude, da palavra amiga e sincera de ambos, dos carinhos exagerados de meu pai, tudo isto me deixa melancólica, sem ânimo para comemorar data tão festiva e que tanto foi comemorada no passado.
Os anos passam. As crianças crescem, casam, formam suas próprias famílias. Outras famílias se agregam, e por incrível que pareça, nesse "agregar", "desagregam", pois a atenção tem que ser dividida.
Os adultos envelhecem, partem para outro plano, deixando em nós a saudade (
neste ano de 2010 a saudade doi fundo, forte e sofrida no meu peito, com a partida de meus amados progenitores, minha querida mãe, em julho de 2008, e, de meu querido pai em junho deste ano).
Entretanto, só tenho a Deus que agradecer por toda esta memória olfativa que jamais me deixará, e que, dentro de alguns anos será UMA DOCE LEMBRANÇA que restou destes belos dias, e que, certamente, irá retornar a cada mês de dezembro , me fazendo reviver "nel mio cuore un puo delle feste di natale della mia gioventù" (
no meu coração um pouco das  festas de natal da minha juventude), COM  O DOCE...FORTE E PRAZEIROSO AROMA DE MEL, CRAVO E CANELA.