Rumo, estrada turva, sou despedida
Por entre lenços brancos de partida,
Em cada curva sem ter você vou mais só.

Corro rompendo laços, abraços, beijos,
Em cada passo é você quem vejo,
No tele-espaço, pousado em cores no além.

Brando, corpo celeste, meta metade,
Meu santuário, minha eternidade,
Iluminando o meu caminho e fim.

Dando a incerteza tão passageira,
Nós viveremos uma vida inteira
Eternamente, somente os dois mais ninguém.

Eu vou, de sol a sol,
Desfeito em cor, refeito em som,
Perfeito em tanto amor.

 

Midi do site:

Webmaster & Design Ninh@ Lopes de Sá /Copyright © 2002/2004 / *Aconchego da Ninh@®*.Todos os direitos reservados nos precisos termos da Lei 9.610 de 19.02.1998, Lei dos Direitos do Autor. Editada em: 13.11.2004